segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Arquivo Morto: 1ª parte - Fim




Ao terminar aquele telefonema fatidico, fiquei como se tivesse sido abatido por um tiro.
De joelhos, senti as lagrimas rolavarem do meu rosto.
As multidão passava por mim e via o meu desespero.
Era bonito ver a cena de um fim, mas não havia tanta euforia em ser protagonista de tal cena.

Eu estava inerte, não conseguia me encontrar. Como deve ser perder aquilo que você mais ama?
O vazio se fez presente, e a ausencia perfurou meu peito que se esvaía em dor.
Naquele momento queria alguem para me abraçar e dizer tudo ia ficar bem...

... o vento apenas soprou e eu permaneci sozinho, em pedaços.
Completamente perdido.





"Será que existe alguém
Ou algum motivo importante
Que justifique a vida
Ou pelo menos, esse instante?"

Horas - Kid Abelha

4 pensando comigo.:

Pepper segunda-feira, janeiro 17, 2011 11:33:00 AM  

Naquele momento ele só queria alguém pra dizer tudo o que ele já sabia...

FOXX segunda-feira, janeiro 17, 2011 12:07:00 PM  

naquele momento ele sabia aonde tinha errado

Diego! segunda-feira, janeiro 17, 2011 2:33:00 PM  

Como arquivista, formado (cof!) lembraria que a expressão "arquivo morto" é utilizada errôneamente para designar os arquivos de guarda permanente, ou seja, de cunho histórico institucional ou para garantia de direitos....Logo, enrolo para dizer esses arquivos nunca são mortos...e fazendo alusão aos seus escritos...Arquivos são vivos, e por mais que o chamamos de "mortos" ainda ocupam gavetas!

Hugo de Oliveira sábado, janeiro 29, 2011 2:39:00 AM  

é triste demais perder quem amamos...

abraços

"A coerência é a virtude dos imbecis." - Oscar Wilde

  © Blogger template 'Morning Drink' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP