segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Os anos passam...

.
.
.
.

Sinto falta de sua boca que nunca senti o gosto.
Eu inventei o amor, inventei a pessoa ideal, eu inventei você.
E hoje, nada me basta.
Você não existe e muito menos o amor que seria provindo de você.
Me sinto envergonhado por esse amor bizarro que inventei


Seus olhos não existem, sua boca e muito menos seu cheiro.
Eu inventei algo que me machuca.
Sonhos.


Estou esperando por algo que nunca virá.
Somente mais ilusão do meu coração.
Preciso da morfina da razão.
Arranca esse vicio de mim, de querer o que não existe.


Por favor, não diga para ter calma, não alimente meu coração
com o veneno da espera.
Estou morrendo por dentro. Mas não quero fica gelado.
Sei que quem criei em minha mente nunca virá aquecer minha alma


O tempo passa e eu estou sozinho.
Os anos se vão e estou aqui.
Mas por hoje eu não esperarei minha droga do amor inventado.
Estou sobrio. Estou lucido.
E você não existirá mais em mim, por enquanto.

12 pensando comigo.:

Camila Blopes segunda-feira, dezembro 07, 2009 8:17:00 AM  

Ah isso dói mesmo...
Mas sou 'anormal', faço minhas as palavras do poeta Cazuza: "adoro um amor inventadooooo".

BeijOs meus!

Ps. Linda semana pra ti. (L)

Athila Goyaz segunda-feira, dezembro 07, 2009 8:55:00 AM  

Muito bonito mesmo!

Continue lúcido que esse amor do jeito que vc está imaginando vai se aproximar de vc qdo menos esperar por isso!

Abraços!

Jay e Alê segunda-feira, dezembro 07, 2009 10:40:00 AM  

Paradoxalmente contraditório. Lindo mesmo.
E vc sabe bem o que eu penso de tudo isso né?
Amar dói querido e dói muito. Mas se não tiver coragem de sentir a dor, nunca saberás se o amor vale a pena. Enquanto você optar pela morfina, pela droga da razão, viveras pela metade e andarás sem rumo. Só o amor pode nortear nossa vida.
Falei!?
Bju
Jay

Joyce Carolini. segunda-feira, dezembro 07, 2009 10:50:00 AM  

Gus.
Não tenha receio de amar, moço!
Dói sim, mas é belo quando é verdadeiro.

Beijos!

Anna Paula segunda-feira, dezembro 07, 2009 12:18:00 PM  

Paradoxalmente contraditório. [2]
mt lindo *-*
amei xD

Luciana segunda-feira, dezembro 07, 2009 1:06:00 PM  

Não dá para matar os sonhos assim... É preciso tempo e muito mais.

E sempre é preciso uma pontinha de esperança... mesmo que seja em um amor inventado.

Beijo, Guh!

Natália segunda-feira, dezembro 07, 2009 1:27:00 PM  

Uma vez ouvi dizer que quando nascemos, junto vem a nossa alma gêmea só que nos separamos quando viemos para esse mundo e aí então ficamos nessa busca louca por ela. Beijos

Paulo Braccini segunda-feira, dezembro 07, 2009 1:29:00 PM  

ainda bem q a lucidez te mostra q tudo isto é por enquanto ...

amor dói mas não podemos ter medo dele sob o risco de passarmos a vida sem viver plenamente ...

bjux

;-)

Luna Sanchez segunda-feira, dezembro 07, 2009 3:18:00 PM  

Ah, Gusta...idealização é uma droga, mesmo. ¬¬

Beijinho.

ℓυηα

Arthur Alter L. segunda-feira, dezembro 07, 2009 5:23:00 PM  

Gustavo,
Tudo bem? Achei interessante seu texto e como quase todos já disseram amar dói mesmo, mas a gente deve acreditar que vale a pena, acreditar em amores inventados não talvez não seja interessante, mas a gente deve procurar fazer valer a pena toda oportunidade ou possibilidade em potencial.
Quem sabe numa próxima vez que nos encontramos no msn a gente possa falar sobre isso.
Abraço

Erica Ferro terça-feira, dezembro 08, 2009 5:41:00 PM  

"Sei que quem criei em minha mente nunca virá aquecer minha alma..."

No fundo, sei disso também; mas algo em mim alimenta o sonho.
Só não quero sofrer por isso; só quero me deliciar com esses sonhos sem esperar muito, sem criar expectativas.

Um abraço.

Soraia Yumi quarta-feira, dezembro 09, 2009 12:30:00 PM  

Adorei.
Agente cria expectativas,idealiza,procura e nunca acha. Assim como príncie encantado não existe,o sapo pode dar um belo principe.
Precisamos aceitar que o real é imperfeito e apostar num amor quem sabe , assim...

Um beijão !

"A coerência é a virtude dos imbecis." - Oscar Wilde

  © Blogger template 'Morning Drink' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP